“Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;”  Mt 5:13,14

A Igreja foi instituída por Jesus e, sem dúvida alguma, ela é responsável pela formação de verdadeiros adoradores de Deus e pela proclamação da mensagem de arrependimento num mundo corrompido e perverso como o que estamos vivendo. Ela não pode perder de vista o seu compromisso com Deus porque do contrário, perderá sua missão de ser sal e luz. Se calar sua voz, será sufocada como uma lâmpada que perdeu sua composição em clarear o lugar onde está colocada. A igreja precisa ser inconformada, não revoltada; ela precisa olhar tudo o que acontece a sua volta e desejar mudanças; como diz um slogan de um local que trabalhei como psicólogo chamado REAME: “Os inconformados que mudem o mundo”.

A Igreja relevante é fiel á Palavra de Deus porque mudar a mensagem apenas para agradar homens é desviar da Verdade, porque a Palavra de Deus é Espada e, em muitas vezes, o “Assim diz o Senhor” proclamado pelos profetas foi de repreensão severa e dura de ser ouvida. A Igreja fiel e relevante, precisa entender que é sal em um mundo enfermo que está se deteriorando e perdendo a vida, logo, precisa falar, pregar e agir. Precisa sair do discurso e entrar na pura prática com a vida cheia de muitas atitudes. São pessoas que revelam com a vida a imagem e gestos de Jesus que nos deixou o exemplo. A igreja relevante não é sal no saleiro, mas atua com graça e compaixão fora dos portões, levando o pão da vida aos famintos, a água da vida aos sedentos, a esperança da salvação aos perdidos, o braço estendido da misericórdia aos que jazem prostrados e feridos à beira do caminho.

A Igreja fiel e relevante sabe a razão de sua existência em uma cidade, não precisa disputar os espaços. Pode até ser contemporânea, mas jamais entra pelo caminho dos “iguais” para ser vista como atraente. Ela tem a linguagem da simplicidade, porém, não é simplória.

Pr. Carlos Henrique Soares
Pastor Titular

%d blogueiros gostam disto: